Santos

São Paulo é o centro econômico do Brasil, porém, a cidade tem um problema : Não há porto marítimo. Devido a isso, tudo que é produzido em São Paulo é transportado para Santos.

Apesar de São Paulo ter 40x mais habitantes que Santos, Santos é de essencial importância para a megalópole. No século 19, navios evitavam balsar na cidade devido à febre amarela que a cidade sofria naquela época. Hoje em dia, navios se acoplam a cada minuto e  o conhecido “porto da morte” é considerado o maior da América do Sul. Nas proximidades do porto, inúmeras empresas de logística gerenciam uma grande porção da exportação mundial de café, bem como uma quantidade significativa de ferro, óleo, carros, laranjas, bananas e algodão.

A fim de facilitar o manuseio, o motorista do stacker é capaz de aumentar o comprimento do braço do guindaste.

 

Essa extensão só é possível com o uso de muita graxa.

Com as guias da igus®, o uso de graxa torna-se uma solução do passado. Essas guias podem ser colocadas no meio de um trilho e asseguram um movimento suave e livre de barulho e lubrificação. Elas estão disponíveis em sete espessuras e são também, resistentes a produtos químicos. Além do mais, elas tem uma grande resistência a desgastes e a umidade. Para mais informações, acesse : http://www.igus.com.br/drylin

Uma vez que os stackers fizeram seu trabalho, guindastes estão carregando os containers nos navios. Esses guindastes precisam de muita alimentação para seu funcionamento. Afim de proteger os cabos de qualquer tipo de mudança climática, indica-se o uso de esteiras porta-cabos igus®. O sistema de cabos da igus® é uma ótima alternativa para barramentos, feston (cortina de cabos) e carretéis.

Existem, em operação, mais de 10.000 aplicações para equipamentos portuários. Infelizmente, não pudemos ter acesso ao porto, mas esses cranes (guindastes) na Coréia do Sul são como os de Santos