Fogo e cinzas.

Quando você dirige milhares de quilômetros, é importante você ter um bom banco. As buchas iglidur® ajudam em manter o seu banco em uma posição confortável. No mundo todo, muitos fabricantes utilizam as buchas da igus® em seus bancos.

É possível usar nossas buchas iglidur® no ajuste da altura do banco, ajuste de inclinação do encosto, encosto da cabeça entre outros locais.

No carro iglidur® utilizamos nossas buchas nos acentos também. Assegurando uma movimentação suave e sem ruídos.

Dependendo do peso da pessoa, as buchas devem aguentar a cargas altas. Com 100N/mm² as buchas iglidur® podem aguentar até mesmo o maior lutador de sumô. Além de aguentar cargas altas, nossas buchas são leves (sete vezes mais leves que buchas convencionais de metal). Uma solução de qualidade e barata para qualquer tipo de banco.

O Japão é composto por quatro grandes ilhas, incluindo o continente com Tóquio e Hiroshima. De Hiroshima fomos a ilha sul de Kyushu.

Kyushu é a terceira maior ilha e é também famosa por seu clima quente. Em todo lugar você pode encontrar fontes de aguas termais. A ultima vez que encontramos isto foi em Taiwan. Fizemos até um pequeno experimento com nossas buchas, mostrando como elas podem sim aguentar altas temperaturas (confira no vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=FsuDpgZZlvc). As nuvens que você pode conferir na foto abaixo, não são nuvens comuns. Elas são formadas pelas aguas termais das montanhas.

O Japão está situado nas bordas de três placas tectônicas. Estão reunidas aqui a Placa do Pacífico, Placa das Filipinas e a Placa da Eurásia. Isso torna o Japão um centro de aguas termais, mas também um foco de terremotos, tsunamis e vulcões ativos. Como nossas buchas alcançam temperaturas altas, nós levamos nosso carro para o Mount Aso. Mount Aso é um dos maiores vulcões ativos no Japão, e está entre um dos maiores do mundo. O solo perto do vulcão é muito fértil, logo o seu redor ficou todo verde.

Antes de chegar ao vulcão já é possível ver a fumaça produzida por ele.

A ultima erupção do vulcão foi em 2011.

Uma erupção seria mais perigoso para nós do que para as buchas iglidur®. Já que elas são resistentes a calor e sujeiras.

De Mount Aso fomos para o norte mais uma vez. Próximo ao continente, passamos por várias de ilhas pequenas.

De lá viajamos próximo a 800 quilômetros até a costa de Nagoya.

No Japão já rodamos mais de 3.000 quilômetros.

Mantenho vocês informados,

Sascha.

De Kyoto para Hiroshima.

Apesar dos avisos de chuva, estamos dando sorte com o clima. Às vezes durante o dia, podemos abaixar a capota do carro e aproveitar o sol.

Índia, China, Coreia do Sul, Taiwan e finalmente Japão. Nós usamos o nosso sistema conversível praticamente todos os dias. E até agora nossas buchas aplicadas neste sistema, não sofreram nenhum tipo de dano enfrentando poeira, sujeiras e umidades extremas. A iglidur® G consegue substituir qualquer tipo de bucha metálica.

A bucha iglidur® G é a bucha mais vendida na igus®. Afinal ela é barata, fácil de montar e tem uma vida útil longa. É a escolha perfeita para aplicações com alta pressão sobre ela e movimentos mais lentos. Um dos clientes que visitamos no caminho para o sul do Japão, planeja em lançar um carro elétrico em breve. Ele irá usar a iglidur® G em várias aplicações.

Antes de deixar Kyoto e seguir para o sul, gostaria de mostrar a vocês um pouco da cultura de dança e concertos que nós experimentamos aqui. Nós tivemos a grande oportunidade de ver o concerto de dança Kyoto Takigi-noh. A dança chamada “noh” é a dança teatral mais famosa e antiga do Japão. Neste tipo de dança não é expressa nenhuma emoção, nem no rosto e nem na voz.

Eles apresentam há 65 anos o mesmo show no famoso santuário Heijan Jingu. Tivemos a sorte de assistir a este show, afinal ele só é exibido uma vez por ano.

Outra forma de dança ou musica respectivamente tem origem chinesa. Ela se chama Gagaku, é um estilo de musica clássica que foi apresentada para a corte imperial por vários séculos.

Após a Dinastia Tang, esta dança desapareceu e apenas algumas pessoas continuaram a manter esta dança viva.

 Do centro tradicional do Japão chegamos ao sul, em Hiroshima. Infelizmente, Hiroshima é conhecida pelo famoso desastre ocorrido em 6 de agosto de 1945. Na sequencia da segunda guerra mundial, os EUA soltou uma bomba nuclear em Hiroshima e Nagasaki.

Este é um relógio que parou de funcionar exatamente no momento da segunda bomba.

Hiroshima era uma das bases dos militares japoneses. Na explosão e nos anos seguintes aproximadamente 100.000 a 150.000 pessoas morreram.

O balão vermelho marca o centro da explosão.

A maioria dos sobreviventes foram crianças, elas foram levadas para uma cidade próxima devido a outros atentados. Com estes ataques, o Japão se rendeu. Isso marca o final da guerra do Pacifico. Nos dias de hoje, os EUA e o Japão são aliados próximos.

Hiroshima foi completamente reconstruída. O gigante memorial localizado no centro lembra os ataques ocorridos e como a população local construiu uma cidade de cinzas. Além disso, Hiroshima foi proclamada a cidade da paz pelo parlamento japonês. Muitos tratados de paz são trabalhados aqui em Hiroshima.

Hoje em dia, ela é uma cidade portuária com cerca de 1,2 milhões de habitantes. De Hiroshima continuamos dirigindo para o Sul e ao um ponto que deixamos o continente.

Mantenho vocês informados,

 Sascha,

Costumes e tradições.

A maioria das pessoas associa a cidade de Kyoto com o famoso protocolo de Kyoto, aonde foi estabelecido obrigações para reduzir a emissão de gases para não causar mais efeito estufa. Poucas pessoas sabem que foi em Kyoto que a Nintendo começou (inicialmente, eles só lançaram um jogo de cartas que não tinha nada a ver com console de games), e provavelmente pouquíssimas pessoas sabem que esta cidade foi a capital do Japão por milhares de anos.

Kyoto é perfeita para ter contato com a cultura tradicional japonesa. As tradições e costumes, em parte são bem visíveis. Por exemplo, você deve obedecer alguns costumes ao visitar clientes. Geralmente, o funcionário que tem o cargo mais alto apresenta os funcionários de cargo mais baixo. O cartão de visita você entrega a pessoa de cargo mais alto. Além disso, como você já deve saber se curvar para saudações ainda é comum no Japão. Eu só aprendi que a curvatura tem apenas três níveis.  O primeiro nível: curvar-se cerca de 10%, é comum entre amigos e colegas de trabalho. O segundo nível: curvar-se cerca de 30%, é mais formal. Você deve se curvar desta maneira quando encontra com alguém mais velho, ou alguém em um cargo mais alto. E o terceiro nível: curvar-se cerca de 45%, simboliza muito respeito a pessoa ou desculpas. Eu sempre me curvo entre 30-45% quando estou em um cliente (só para assegurar que não estou fazendo nada de errado). Eles não ligam se um turista não sabe nada sobre seus costumes, mas eu gostaria de me adaptar a cultura que estou vivendo no momento. Um cliente que eu poderia treinar a cultura japonesa, é um dos principais fabricantes de maquinas têxtil.

Eles estão fabricando maquinas personalizadas e eles estão prontos para lançar novas maquinas. É claro que estas maquinas precisam de uma manutenção, que por curiosidade é bem caro. Portanto, eles estão a procura de produtos livres de manutenção que possa ajudar na vida útil de suas maquinas. A iglidur® e os drylin® podem ajudar a entender a vida útil de suas maquinas. Todos nossos produtos são auto lubrificantes e livres de manutenção. Com a igus® não há necessidade de enviar seus funcionários à procura de fornecedores no exterior varias vezes. E é claro que isto economiza custos.

Muitos fabricantes de maquinas têxtil confiam nos produtos da igus®. Além das buchas iglidur®, nossos mancais igubal® também são utilizados nestas maquinas.  Esta maquina de tricô circular da MAYER & CIE GmbH & Co abaixo, utiliza nossos mancais. Eles previnem contra qualquer falha entre a maquina e os tecidos, por serem livres de lubrificantes e manutenção.

Como Kyoto é um centro tradicional, há monumentos tradicionais por todo lugar.

Pelo menos ao redor do centro da cidade. Você encontrará templos e santuários maravilhosos.

O templo mais famoso é o Kyomizu-dera.

O templo é patrimônio mundial da UNESCO, e está preservado na forma como foi construído. Eles não utilizaram um prego sequer para construí-lo. Na sacada do templo, é possível apreciar uma vista maravilhosa da cidade.

Esta sacada é associada a uma frase antiga japonesa, que traduzida significa “para saltar para fora do palco de Kitomizu”. Antigamente, as pessoas pulavam deste terraço e se você sobrevivesse era dito que seu desejo seria realizado. Duzentos e trinta quatro “pulos” foram registrados e 85.4% sobreviveram. É claro que nos dias de hoje, isso é proibido.

Próximo ao templo há um restaurante escondido que não parece nem um pouco com um restaurante. É um dos restaurantes tradicionais que são abertos para membros exclusivos. Para que você entre nele, é necessário pelo menos duas recomendações e uma entrevista com a dona do restaurante. A dona, é uma senhora de mais ou 70-80 anos, que aprova os candidatos através de conhecimentos e seu comportamento. Ela decide quem merece jantar em seu restaurante. Devido a alguns contatos, tive a oportunidade de jantar lá. No começo ela parecia ignorar meu “mal comportamento”, mas depois ela se sentou ao meu lado e começou a corrigir o que eu fazia de errado. Por um momento, esqueci-me de colocar a colher de sopa fora do prato e no mesmo instante ela retirou a colher para mim. Outro momento quando eu peguei meu celular, instantaneamente ela pediu para meu colega que eu parasse de usa-lo.

 Durante o jantar, tivemos a oportunidade de conhecer duas gueixas.

Gueixas são mulheres tradicionais que atuam como recepcionistas e cujas habilidades incluem várias artes japonesas, como: musica clássica, dança e jogos.

Não é qualquer pessoa que pode falar com elas, apenas algumas pessoas podem fazer isso. Além disso, para se tornar uma gueixa é preciso frequentar uma escola seletiva para isto. O que para muitas pessoas parece estranho é a maquiagem branca na pele.

As gueixas utilizavam esta maquiagem branca numa época aonde velas era a única fonte de luz que existia. A luz de vela o rosto branco se torna rosado e natural.

Japão é uma cidade muito moderna, mas ao mesmo tempo é possível encontrar templos antigos e construções tradicionais. Que te leva a anos e anos atrás. Estou muito animado para conhecer mais deste país fascinante!

Mantenho vocês informados,

Sascha.

Os primeiros 500 quilômetros.

Assim que terminamos a conferência de imprensa, nós saímos para nosso próximo destino no Japão. Nosso primeiro destino foi Isesaki, aonde visitamos nosso primeiro cliente. O departamento inteiro da R&D deram boas vindas assim que chegamos à empresa. Aproximadamente 20 pessoas deram uma olhada em nosso carro e conferiram as novidades dos produtos da igus®

Atualmente, o cliente está testando aonde ele pode usar nossas buchas em seu sistema de escape.  Uma das aplicações poderia ser nas válvulas. Esta aplicação nas válvulas é uma das mais clássicas neste segmento automotivo. No mundo inteiro, centenas de clientes estão confiando nas buchas auto lubrificantes da igus® para este tipo de aplicação

Elas aguentam altas temperaturas sem nenhum problema, além de serem baratas e leves.

Mesmo que Isesaki fique apenas uma hora de distancia de Tóquio, nós demoramos por volta de duas horas para chegar até lá. Primeiro tivemos que passar pelo subúrbio da melhor cidade do mundo. Alguns destes “subúrbios” são maiores que cidades grandes da Europa. E assim que você deixa Tóquio, tudo fica verde.

A estrada nos levou para o centro da ilha. No inverno, as montanhas se transformam em famosas pistas de esqui.

Nos países desenvolvidos, a parte rural está cada vez mais abandonada. Apesar da diminuição da população, as cidades metropolitanas continuam crescendo. Já que a maioria das pessoas que cresceram nesta área rural, deixam de lado a sua cidade natal para enfrentar as cidades grandes.

Nestas vilas também é deixado para trás comidas tradicionais, todas incrivelmente deliciosas. A foto abaixo não são batatas gratinadas, mas sim peixe moído. De alguma forma, se parece com batata e tem uma consistência parecida.

Em uma tarde nós fomos a um restaurante/bar aonde uma senhora cozinhava e servia ao mesmo tempo.  Ela nos serviu a tradicional “comida da avó”. E eu não preciso dizer que a comida da dela é a melhor do mundo, certo?

O karaokê foi inventado no Japão, e é muito tradicional em bares. Parecia que as pessoas presentes ali praticaram a vida inteira. Todo mundo, incluindo a senhora, tinha uma voz bonita e única. O que não contribuía com minha autoconfiança quando era a minha vez de cantar algo. Do bar da avó, nós continuamos até a praia. No meio do caminho, tivemos a chance de visitar um patrimônio mundial da UNESCO.

Esta vila esta preservada como uma vila tradicional. Suas casas são feitas de madeira com telhados de palha.

Do patrimônio mundial, chegamos em Hakui localizado na costa do mar. Como a iglidur® é resistente a água, aproveitamos para levar o carro para dar uma volta pela costa.

As buchas da igus® são resistentes a agua e livres de corrosão. Com base nisso, oferecemos as buchas especiais que são exclusivamente fabricadas para atender a demanda de aplicações sob a água. A iglidur® H, é a nossa especialista com água e é a melhor escolha não somente para aplicações aquáticas, mas também para outros tipos de líquidos e produtos químicos.

Atualmente estamos em Kyoto, aonde teremos uma experiência japonesa muito tradicional. Conto para vocês em breve.

De qualquer forma, mantenho vocês informados.

Sascha.

Conferência de imprensa.

Na manhã de ontem (28/05) foi a estreia oficial da iglidur® on tour no Japão. Trinta e dois jornalistas compareceram ao hotel luxuoso no centro de Tóquio para nossa conferência.

Kunihiko Kitagawa (ou Kenny, soa mais fácil para que não é japonês), diretor da igus® Japão, começou informando aos jornalistas a história da igus®, como funciona nossos produtos iglidur® e contou um sobre a turnê.

Nós iremos explorar a ilha toda, dirigindo por toda costa. Iremos rodar pelo menos 4.500 km. Por cada quilometro percorrido, a igus® Japão irá doar um euro para uma fundação que ajuda crianças que sofreram com o Tsunami de 2011.

Um dos pontos altos da conferência foi o discurso do Sr. Sickert, que estava representando a embaixada alemã.  A embaixada Alemã nos ajudou com o registro do carro, em um momento bem complicado.

O Sr. Sickert se referiu a igus® como uma companhia inovadora que representa muito bem o “Mittelstand” Alemão: “Com produtos altamente especializados, vendas, instalações de produções em vários continentes além de um marketing excelente. A igus® é um ótimo exemplo da bem sucedida Mittelstand.” O alemão “Mittelstand” é composto por empresas de médio porte que são considerados como a espinha dorsal da economia alemã.

Após o seu discurso, os jornalistas tiveram a oportunidade de conferir nossos produtos e fazer perguntas. Em várias mesas foram apresentada gama de produtos da igus®

Terminando a conferência, nós deixamos Tóquio. Nossa primeira parada será em Isesaki, aonde visitaremos nosso primeiro cliente. Três semanas de visitas, dirigindo e se aventurando. E que comece a turnê!

O ultimo obstáculo.

Nosso carro tomou parte na Exposição de Engenharia Automotiva em Yokohama. Desde 1992 a exposição é composta todo ano com mais de 400 expositores. Apesar do grande numero de expositores, era possível achar o nosso carro sem saber ao certo onde estava o nosso estande. Você poderia seguir facilmente as sacolas laranja da igus®. Quanto mais perto do carro, maior era o numero de pessoas com as nossas sacolas. Quando percebemos, elas estavam em todos os lugares. Durante os três dias do evento, nós entregamos mais de 3.000 sacolas.

E é claro que no evento, você poderia também encontrar com alguns dos nossos clientes. Este fabricante de carros é um dos nossos clientes indiretamente. Nós entregamos a empresa que está fornecendo o sistema de ar condicionado (AC) para um modelo de carro semelhante.

Quando o ar condicionado é ligado, as laminas da frente são abertas. As buchas iglidur® aplicadas nas dobradiças garantem um movimento suave das laminas. O fornecedor utiliza a iglidur® resistente a sujeira, devido a sua leveza comparada com as buchas metálicas e também por serem livre de lubrificantes e manutenção. As buchas iglidur® um movimento suave e sem ruídos, além de enfrentar o vento e sujeiras.

Nossas buchas conseguem facilmente enfrentar sujeiras e moscas que batem no carro iglidur® em movimento. Enquanto o nosso farol, aparentemente, não pode. Fomos informados que o nosso farol, não está mais funcionando.  Mas um farol quebrado não irá interromper a nossa turnê.

Enquanto o carro está passando pelas modificações exigidas, eu tive a chance de descobrir mais sobre Tóquio. Desta vez junto a minha namorada, pois ela veio passar alguns dias por aqui.

Por mais que Tóquio seja uma cidade moderna, você ainda pode encontrar alguns prédios antigos. Um exemplo é a estação de metro principal, ela esta localizada no distrito financeiro de Tóquio.

Outro exemplo da “antiga” cidade é a torre de Tóquio. Antes da inauguração da Skytree, esta torre era o maior prédio da cidade.

Você consegue ter uma ótima vista da torre próxima a um templo.

Eu acabei de voltar de um escritório que está tomando conta do registro do carro. Este era o ultimo obstáculo no longo processo de registro. Aparentemente, houve um problema por eu ter escrito o meu endereço com a letra alemã “ß”. E em outro documento, com a letra “ss” (o que basicamente significa a mesma coisa). De alguma maneira, nós conseguimos esclarecer que os dois endereços são os mesmos. Pelo fim do dia, finalmente conseguimos a licença para dirigir. Agora podemos começar a explorar o Japão. Quinta-feira, após a conferência de imprensa, nós iremos deixar Tóquio.

Mantenho vocês informados,

Sascha.

Bem vindos ao país do sol nascente.

Chegamos à metrópole mais populosa do mundo, Tóquio. Aproximadamente trinta e seis milhões de pessoas vivem e trabalham aqui.

Embora conseguimos obter nosso carro iglidur® facilmente pela alfândega, irá demorar um pouco para obter a licença para dirigir.

A data marcada para o começo da turnê é dia 28 de maio. Antes de começarmos a viajar pelo país do sol nascente, nós precisamos obter vários documentos. Por exemplo, precisamos de um “certificado de estacionamento”.  Qualquer pessoa que deseja registrar um carro deve trazer uma prova de um espaço para estacionar existente. Esta é uma medida para reduzir o tráfico em Tóquio. Além dos documentos, precisamos fazer algumas modificações no carro. Depois teremos que passar no teste de inspeção e gás de exaustão. Depois deste longo processo, será liberada nossa licença para dirigir. Enquanto acontece a modificação e inspeção, o carro fará parte do nosso estande em uma feira automotiva.

Desde minha chegada, a primeira coisa que vi foram escritórios bem organizados do estado. Fomos até a embaixada alemã, e eles verificaram a minha identidade para que a minha habilitação de condução seja liberada.

Minha primeira impressão de Tóquio foi uma cidade limpa e bem organizada. Você não irá encontrar sujeira em Tóquio, pelo menos não no centro da cidade. As estações do metro são tão limpas que você pode comer no chão sem problemas. Os trens do metro param sempre no mesmo lugar, ou seja, se você ficar no local indicado na estação o trem irá parar bem na sua frente. Talvez por ser uma cidade tão lotada, tudo precisa ser bem organizado para que não ocorra nenhum problema. Um exemplo que mostra como Tóquio é cheia de pessoas, é a rua em frente da estação Shibuya. Todos os dias milhares de pessoas estão passando pelo cruzamento principal.

Por um lado Tóquio é uma cidade muito moderna, mas por outro lado é bastante “antiga” e tradicional. Um exemplo de modernidade é o distrito de Akihabara, a “cidade dos eletrônicos”. Aqui você irá encontra dezenas de animes e lojas de eletrônicos.

Já em outros distritos encontramos a parte mais antiga e tradicional de Tóquio, aonde as ruas são bem estreitas e cheias de casas tradicionais.

O coração deste distrito é um grande templo.

Aqui você pode vivenciar os dois lados de Tóquio, a frente um templo tradicional e ao fundo as casas modernas e arranha-céus futurísticos.

Com uma altura de 634 metros, a Skytree (famosa torre de Tóquio) tem visão para tudo. É a torre mais alta do mundo e segue a torre de Xangai como o segundo maior edifício do mundo.

Um colega me convidou para participar um famoso festival religioso, chamado Sanja Matsuri.

Neste festival é apresentado cerca de cem mikoshi (santuários portáteis). Em que deuses são simbolicamente colocados dentro dos mikoshi e desfilam pela cidade trazendo boa sorte aos negócios e para as casas locais.

Eu tive a honra de carregar um destes santuários que são incrivelmente pesados.

Depois fui informado que foi uma oportunidade rara. Um colega japonês me disse que é uma honra para todos os japoneses participar deste evento. E ele infelizmente nunca teve a chance de participar.

Enquanto esperamos pela licença de direção, irei mostrar mais para vocês desta cidade fascinante.

Sascha.

 

Com a igus® no topo.

Taipé, a capital de Taiwan, é conhecida mundialmente pelo seu magnifico arranha-céu. O Taipeh 101 foi o maior prédio do mundo por seis anos, até a abertura do Burj Khalifa em Dubai.

Ninguém iria se atrever a trocar o elevador mais rápido do mundo por mais de 2.000 degraus. O elevador demora cerca de 40 segundo do primeiro andar ao octogésimo nono andar. Diferente de todos, o atleta Görge Heimann pratica um esporte diferente. Ele evita elevadores, não por problemas de claustrofobia, mas pelo prazer de subir escadas. O professor de Colônia – Alemanha tem participado da competição “Towerrunning” por muitos anos.

Um juiz mensura cada tempo o tempo de subida de cada corredor. Görge é um dos mais rápidos, e é um dos Tops 10 do mundo inteiro. Desta vez ele corre junto a bandeira da igus® na World Grand Pix Towerruning Cup em Taipei. Juntos pertencendo à elite mundial, juntos buscando a perfeição.

Em 12 minutos e 45 segundos, ele subiu os 2.046 degraus! A foto abaixo foi tirada na competição Towerruning em Las Vegas.

Ele ficou atrás do Australiano Mark Bourne (10:46), que ganhou o ouro. Görge conseguiu ficar em sexto lugar.

Enquanto Görge precisa de um descanso, já que ele subiu as escadas até o topo do prédio. Os produtos da igus® continuam trabalhando dia e noite, sem descanso. Nenhum corredor leva o mesmo tempo para subir e descer prédios como a igus®. Para uma descida segura do elevador, eles confiam em nossas buchas e esteiras. As buchas iglidur® asseguram um movimento suave na abertura das portas do elevador.  E nossas esteiras E-Chain®, protegem os cabos garantindo o fornecimento de energia.

Por exemplo: Os cabos do elevador pendurados sob este elevador do carro (Bonn, Alemanha), foram expostos a corrente de ar constante causada por um sistema de ar forçado para a instalação de alarme de fumaça e isso resultou em movimento lateral indesejável. A combinação de um igus® E2/000 E-Chain® e um duto de chapa agora oferece a estabilidade necessária para o sistema de fornecimento de energia.

Embora o voo de Görge tenha sido na mesma noite da competição, ele não queria sair de Taipei sem conhecer e sentar no carro iglidur®. Enquanto Görge testa seus limites subindo escadas, nosso carro esta fazendo o mesmo. Dirigindo 10.000km ao redor do mundo.

Taiwan, um paraiso para os mountain bikers.

Taiwan tem uma incrível diversidade de natureza e paisagens maravilhosas (como as montanhas gigantes que dividem a ilha). Você pode encontrar várias trilhas tanto para caminhadas como para bicicletas. Que torna Taiwan um sonho para os ciclistas. Algumas destas trilhas são bem estreitas, escorregadias e próximas a precipícios. Como você pode imaginar, são bem perigosas. Se a bicicleta falhar, isso pode ter consequências fatais para a saúde do ciclista. A igus® ajuda a melhorar o desempenho da sua bicicleta, para que assim você confie em seu equipamento e concentre apenas na trilha.

Você consegue encontrar a igus® em todo local da sua bicicleta, do freio ao pedal. Grandes indústrias como GIANT, SPRAM e APRO TECH estão associadas à igus® por muitos anos. Se você perguntar para eles sobre vantagens, todos irão te responder como são leves as buchas da igus® além de serem auto lubrificantes. APRO TECH, uma indústria de bicicletas situada em Taiwan, vem usando as buchas iglidur® há mais de cinco anos em seus garfos de suspensão. Eles veem o ótimo funcionamento e a vida longa da iglidur® como um ponto que se destaca entre as outras empresas.

Você pode encontrar iglidur® em vários tipos de suspensão em bicicletas, muitas vezes nas melhores e mais caras do mercado. Por exemplo, a mountain-biker Sabine Spitz (medalha de ouro nas olimpíadas de Pequim 2008), confiou nas buchas da igus® no seu garfo de suspensão sensível. Nossas buchas são usadas para encarar choques repetitivos e altas cargas. Para mais informações confira: http://www.dpaonthenet.net/article/56139/Mountain-bike-suspension-poses-extreme-test-for-bearings.aspx

Veja como a igus® ajuda a manter as bicicletas no caminho certo:

https://youtu.be/ME9Xu4bYjhM

SPRAM, uma companhia dos Estados Unidos, fornece uma fabricação ampla de componentes para bicicleta. Na maioria de seus componentes, as buchas iglidur® estão lado a lado. A filial asiática fica situada em Taichung. Encontramos com a engenheira chefe de lá, e ela nos contou que está com a igus® há muitos anos. Para ela o ótimo suporte da equipe da igus® e confiabilidade são grandes pontos da igus®.

https://youtu.be/0H4TqlOa0ro

Dirigir em Taiwan, não é somente uma aventura para bicicletas, mas também para os carros. Existe uma estrada que passa pelo Parque Nacional de Taroko e em um famoso canyon da ilha. Antes de chegarmos ao canyon, passamos pela “Árvore Divina” que se presume ter cerca de três mil anos de idade.

Da Árvore Divina demora cerca de uma hora em meio de árvores antes de chegarmos ao vale, que marca a entrada ao canyon. Durante a viagem até o canyon, vimos vários pequenos templos.

Não vimos nenhum Aborígene, mas eles vivem próximos à estrada que leva ao canyon. É apenas uma coincidência, mas há uma pedra muito parecida com um famoso índio da América do norte. Consegue reconhecer o rosto?

Veja o carro passando por Mt. Hehuan e pelo Parque Nacional de Taroko:

https://youtu.be/QNs59pxMiNw

Assim que saímos do canyon, o clima ficou um pouco ruim. Enquanto o Ocidente é meio que protegido por suas montanhas, o Oriente está enfrentando tempestades vindas do mar. Aqui o nosso carro está enfrentando ventos fortes e chuvas tropicais. Ruim para nós, mas não é problema para a iglidur® a prova d’agua.  Ainda continuamos nossa turnê para o sul. Enquanto isso, paramos em uma famosa caverna de Taiwan.

Infelizmente para entrar na caverna, não é possível com o carro. Apenas a pé.

Fiquei bem assustado quando meu colega de repente chamou minha atenção, mostrando que havia uma cobra bem abaixo do degrau em que eu estava (um minuto antes vimos uma placa avisando que há serpentes venenosas por lá).

Fizemos um vídeo enquanto viajamos pela costa de Taiwan, confira:

https://youtu.be/9SOLW5OEuvM

Isso é tudo por hoje, escrevo mais a vocês assim que chegar no Sul.

Sascha.

Página 17 de 20« Primeira...10...1516171819...Última »