Mas afinal, qual o segredo dos polímeros da igus®?

Navegação de artigos

 

 

 

Se você pensou que clicando no link teria a receita pronta, sinto lhe informar mas não será dessa vez… nós não divulgamos a receita secreta, rs. Mas… não fique triste, vamos explicar bem detalhadamente, o porque dos polímeros da igus se diferenciarem tanto de outras soluções e serem intitulados como “autolubrificantes”

Todos os anos, os engenheiros da igus desenvolvem mais de 300 novos compostos de plástico e testam suas propriedades tribológicas – no laboratório da igus® – em mais de 10.000 testes. Todos os resultados são adicionados em um banco de dados abrangente de conhecimento e material. Portanto as informações ​​sobre a durabilidade da vida útil dos polímeros iglidur® da igus são confiáveis e feitas com base nesse banco de dados.

Mas vamos lá, para entender os principais diferenciais da fabricação de componentes em polímeros especiais por injeção da igus, vamos entender as primeiras vantagens imediatas:

  • São totalmente livres de lubrificação.
  • Possuem vida útil elevada e baixo atrito independentemente do tipo de movimento.

Os polímeros de alto desempenho iglidur® da igus consistem em:

  • Polímero base
  • Fibras e material de preenchimento
  • Lubrificantes Sólidos

Estes componentes não são colocados em camadas, mas compostos de forma homogênea. A vantagem desta construção torna-se particularmente clara se você olhar uma vez para as exigências colocadas na superfície de uma bucha (imagem abaixo). O coeficiente de atrito, que é particularmente determinado pela superfície.

Isso porque, ao invés de serem regados com óleo e lubrificantes, os polímeros da igus são robustos e homogêneos, garantindo que os produtos operem de maneira eficaz independentemente do tipo de movimento ou da velocidade sem necessitar que sejam lubrificados.

Nas buchas de polímeros autolubrificantes os lubrificantes sólidos ficam embutidos em milhões de câmaras minúsculas do material principalmente reforçado com fibra. Durante a operação, a bucha transfere lubrificante para o eixo para ajudar a baixar o coeficiente de atrito. Ao contrário de uma bucha metálica, as buchas de polímero liberam lubrificantes sólidos assim que a bucha ou o eixo são colocados em movimento. Os materiais reforçados com fibra dentro dela resistem à altas forças ou à cargas laterais. Elas também podem ser utilizadas ​​em diversos tipos de eixos.

Para entender melhor como a formação desses produtos em polímeros funcionam… 

polímero base é crucial para a resistência ao desgaste.

Fibras e materiais de preenchimento reforçam a bucha para suportar grandes forças ou cargas.

Finalmente, os lubrificantes sólidos automaticamente lubrificam as buchas e evitam o atrito no sistema.
 

Polímero base com fibras e lubrificantes sólidos, ampliado 200 vezes e colorido. 

Polímero base sem reforços com lubrificantes sólidos, ampliado 50 vezes e colorido.

Comparação dos dois tipos de buchas – Plásticas x Metálicas 

Em cima: Buchas metálicas sinterizadas
O óleo [1] é absorvido pelo corpo poroso da bucha metálica [2] e garante a lubrificação apenas com velocidades de rotação elevadas. A camada de óleo necessária para garantir o funcionamento correto das buchas metálicas não existe em caso de movimentos de rotação lentos, lineares ou oscilantes. Regra geral, a quantidade de óleo disponível diminui ao longo do tempo de funcionamento.

Em baixo: Buchas de polímero iglidur®
A estrutura robusta e homogênea em polímero com lubrificantes sólidos e fibras de reforço [3], mas sem óleo absorvido, garante que os lubrificantes sólidos incorporados no material asseguram sempre a funcionalidade da bucha independentemente do tipo de movimento ou velocidade. Existe muito pouco atrito e desgaste ao longo de toda vida útil das buchas.

Além de mais de 30 compostos padrão, a igus® também produz centenas de outras soluções de nicho usando compostos especiais. A cada dia, mais de 300 máquinas de moldagem por injeção produzem milhões de produtos como buchas e mancais lisos, e grande parte de forma totalmente automatizada.

Esses mancais no mercado, com sua composição diferenciada promovem inúmeros benefícios para aplicações que exigem movimentação. Dentre as principais, podemos citar a questão de reduzirem custos, por não necessitarem de lubrificação adicional e também diminuírem a manutenção, além do fato de reduzirem paradas não planejadas, pois possuem operação contínua e vida útil prolongada sob diversas condições de aplicação. Por serem feitos em polímero, não há a corrosão, o desgaste é reduzido e possuem resistência à químicos, temperaturas variadas, entre outros pontos. Tudo isso é possível pelo avanço da tecnologia que nos permite produzir polímeros altamente resistentes para suportar diferentes características de aplicação.

Todos os dados obtidos sobre as especificações dos materiais, se tornam possíveis pelos estudos realizados no laboratório de testes da igus, localizado na matriz, em Colônia, na Alemanha – considerado o maior laboratório do mundo em tribo-plásticos. Lá são realizados diariamente testes para medir valores de desgaste, coeficientes de atrito, identificação das características dos materiais e compostos,  testes térmicos, testes das aplicações dos clientes e muitos outros.

Você pode ver um pouco mais sobre o laboratório de testes da igus nesse vídeo abaixo, que demonstra alguns testes realizados com os rolamentos da linha xiros® da igus.

https://www.youtube.com/watch?v=iaVMJh1RbvI

Para maiores informações, acesse: http://www.igus.com.br

Ou mande suas dúvidas para nós pelo e-mail: marketing@igus.com.br