A igus apresentou a próxima geração de cabos inteligentes

O módulo CF.Q verifica e avalia dados de cabos durante o funcionamento real e informa quando será necessária a próxima substituição

A empresa igus levou seu conceito de cabo inteligente ao próximo nível. A experiência de clientes nas indústrias automotiva e de máquinas-ferramentas forneceu conhecimentos importantes para o desenvolvimento dessa nova geração. O novo módulo CF.Q em combinação com o isense utiliza as novas possibilidades de digitalização e ligação em rede para tornar a manutenção mais fácil e mais eficiente e, assim, economizar dinheiro.

A parte principal de cada cabo inteligente da igus é um sensor complexo chamado CF.Q. Com esse módulo, as propriedades elétricas podem ser testadas em vias de medição adicionais e continuamente comparadas com valores empíricos existentes de um determinado cabo chainflex. Danificações devido ao dobramento ou cargas extremas podem ser detectadas confiavelmente. Além disso, é possível definir valores de referência para os cabos de antemão. Se o módulo CF.Q está instalado, ele informa o cliente acionando um contato quando os valores predefinidos dos parâmetros elétricos mudarem. No entanto, a inteligência “verdadeira” do cabo se encontra no detalhe. Apenas a combinação de valores empíricos e medições em tempo real fornecem ao usuário previsões exatas sobre as manutenções de seus cabos – especialmente no ambiente de produção dinâmico. Isso é possível graças a uma aplicação adequada para a indústria 4.0 chamada isense-online. Ela compara os valores do cabo registrados em tempo real e os valores empíricos em um banco de dados, e, se detectar flutuações, solicita ao operador fazer a manutenção. Isso tudo antes de ocorrer algum dano que resulte em uma interrupção da produção ou tempo de inatividade da máquina.

Em combinação com tendências tecnológicas como redes neuronais ou inteligência artificial, a igus está definindo novos padrões em cabos inteligentes e manutenção previsível.

Manutenção previsível alivia equipes de manutenção

Graças ao invólucro de calha superior, a nova geração de módulos CF.Q agora é adequada para a montagem de quadros de distribuição, oferecendo, assim, aos engenheiros elétricos uma flexibilidade adicional em termos de integração e manuseio. Além disso, por possuírem um slot para cartão SD, os módulos são adequados para o logging de dados. Uma emissão dos valores medidos em uma interface serial também faz parte do padrão. Clientes que querem obter informações precisas sobre os valores medidos salvos podem fazê-lo através de uma visualização detalhada quando conectados com o isense-online. Aliás, o usuário tem acesso a uma grande variedade de canais de comunicação e opções de relatórios. Recomendações de manutenção ou falhas iminentes são exibidas no navegador clássico de PCs, assim como em dispositivos móveis como tablets e smartphones. Para equipes de manutenção e gerentes de produção, os cabos inteligentes da igus estão trazendo uma mudança de paradigma para a manutenção e serviço através de previsões exatas. Graças à indústria 4.0 e a integração ativa de tecnologias inteligentes, a manutenção do futuro se torna previsível e consequentemente mais eficiente. Os sensores e aplicação insense-online podem ser usados em vários setores. Com o dispositivo beta IS.CF.Q.03.01.0., disponível no estoque, os clientes podem começar o seu próprio projeto de teste beta e preparar ainda mais os seus processos de produção para a digitalização e “smart factorys”.

Fonte: igus GmbH

 

Encaixe fácil com o K230: novo material iglidur para buchas autolubrificantes inteligentes

A empresa igus introduz um triboplástico especialmente para buchas flangeadas e de clipe livres de lubrificação e livres de manutenção

Se o usuário está à procura de uma bucha livre de lubrificação segura, a igus oferece uma ampla gama de soluções: Além da extensiva gama de produtos do catálogo para buchas autolubrificantes cilíndricas padrão, há também as chamadas buchas flangeadas e de clipe. Devido à sua fácil instalação e construção, eles são usados especialmente em perfis de chapa metálica. A igus agora desenvolveu um novo material para resistir a altas cargas de borda, mesmo sob condições extremas. O material iglidur K230 resistente ao desgaste é altamente elástico, resistente a substâncias químicas e resiste à umidade.

Estruturas de chapa metálica geralmente não oferecem uma opção de pressionar uma bucha deslizante em um furo ou de encaixá-lo. Ao invés disso, uma bucha precisa revestir um furo muitas vezes mal feito e guiar o eixo com segurança. Montagem rápida, manual e automatizada, assim como auto-retenção são outros requisitos. Para tais casos, a igus tem as “buchas de clipe” em sua gama. O nome deriva-se da montagem simples, na qual a bucha autolubrificante ranhurada é conduzida pelo furo usando-se um dos dois flanges e encaixado como um “clipe”. Além da gama padrão de buchas de clipe, há várias soluções customizadas. Também existem buchas nas quais a segunda flange é formada através do reviramento das bordas depois do encaixe no furo. Ao longo dos anos, essas soluções têm se comprovado milhões de vezes em diferentes aplicações. Elas reduzem, por exemplo, o atrito e ruídos em assentos de carros. Todas as construções possuem o requerimento comum de alta flexibilidade e robustez. Para uma instalação rápida e para resistir as altas cargas de borda nos perfis de chapa metálica. O novo material iglidur K230 da igus possui exatamente estas propriedades.

Material altamente elástico para uma instalação fácil

O material iglidur K230 livre de lubrificantes é altamente elástico e flexível, tornando-o ideal para buchas flangeadas e de clipe. Ensaios extensivos no próprio laboratório de testes da igus também mostram que o plástico de alto desempenho recentemente desenvolvido pela empresa acompanha perfeitamente os melhores materiais iglidur padrão em termos de resistência ao desgaste. Ele absorve umidade apenas em quantidades muito pequenas e apresenta uma ótima resistência universal a meios. É possível até usá-lo em aplicações em ambientes úmidos. O novo material também demonstra as suas vantagens em aplicações com altas temperaturas de até 130 graus Celsius. No início, a igus oferece o material iglidur K230 especialmente para buchas flangeadas e de clipe em modelos customizados. Sob pedido, o material flexível também está disponível como bucha deslizante em tamanhos padrão.

Fonte: igus GmbH

Soluções igus para máquinas e equipamentos da indústria de PNEUS

Sabemos que para a fabricação de pneus, a ampla gama de diferentes etapas com várias máquinas tem que atender aos mais altos requisitos de desempenho. A operação em capacidade total das máquinas destina-se a reduzir o trabalho de manutenção e os produtos confiáveis estão em alta demanda.

Por isso, as soluções da igus tem sido essenciais para reduzir custos de manutenção e paradas não planejadas, assim como aumentar a produtividade na indústria de pneus. Soluções como esteiras para condução segura dos cabos, guias lineares para ajuste de formato e buchas e mancais autolubrificantes, podem promover uma movimentação inteligente e livre de falhas nessas aplicações.

Para facilitar o entendimento, sobre onde nossas soluções podem ser empregadas, demonstramos aqui, todos os pontos que podem ser otimizados em máquinas e equipamentos na indústria de fabricação de pneus.

Todas essas soluções tem como intuito principal reduzir custos e eliminar paradas não planejadas. Tempos de inatividade das máquinas e equipamentos podem custar muito ao processo de produção e impactar todo o funcionamento de uma linha. Tendo a garantia do uso de peças e componentes confiáveis, a manutenção pode ser reduzida e ainda por cima, pré-planejada, uma vez que todos os componentes da igus tem a ferramenta de cálculo de vida útil no site… onde você pode calcular e prever o tempo que o componente irá durar em sua aplicação de acordo com os dados técnicos do equipamento, como velocidade, aceleração….

Incrível né?

Para saber mais informações sobre nossas soluções para essa indústria, entre em contato conosco pelo e-mail: marketing@igus.com.br

Com novo centro logístico, a igus investe em melhorias operacionais para sustentar crescimento

NOVO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO ESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DA IGUS, QUE INVESTE EM MELHORIAS OPERACIONAIS PARA SUSTENTAR CRESCIMENTO.

Presente no Brasil desde 1996, a igus decidiu ampliar sua estrutura e investir em eficiência produtiva. A mudança para instalações maiores reforça a preparação da empresa para o crescimento do mercado.  

Com um portfólio de mais de 50 mil itens a empresa multinacional alemã é pioneira e líder mundial na fabricação de componentes em polímero e sistemas voltados para automação industrial. Soluções como esteiras porta-cabos, cabos especiais e componentes plásticos como buchas, mancais, rolamentos, assim como também guias lineares para aplicações em movimentos tem sido procurados pela indústria por sua alta resistência e baixo desgaste.

A nova instalação no Distrito Industrial na cidade de Jundiaí – SP foi escolhida por estar estrategicamente localizada, próxima às principais vias logísticas do Estado de São Paulo, com acesso fácil a diversas localidades para melhor gerenciar a distribuição dos produtos.

O diretor da unidade brasileira, Marcelo Pimenta revelou que o investimento em um novo centro de distribuição tem como intuito principal otimizar processos logísticos e trazer melhorias no atendimento. A empresa que hoje é responsável por abastecer todo o território nacional e América Latina aposta no novo galpão de quase 4.000m² para melhorar o estoque e conseguir mais agilidade e qualidade nos processos que resultarão em um nível de serviço melhor.

Para Marcelo, a mudança está baseada nos princípios fundamentais da igus, que são de melhoria contínua, qualidade de produtos e processos, junto com um atendimento diferenciado. Segundo ele, toda operação terá como base o conceito de produção Lean, o sistema de manufatura enxuta que busca reduzir desperdícios enquanto aumenta a produtividade e a qualidade.

“A igus está sempre na busca constante por inovação e melhoria de nossos processos. Nestes anos difíceis para diversas indústrias, enxergamos grande potencial de crescimento e expansão: – nossos produtos estão cada vez mais sendo procurados por diversos profissionais de diferentes setores industriais, que encontraram com a gente um potencial de redução de custo e melhoria na sua produtividade. É com base nisso que damos esse grande passo, ampliamos nosso estoque, buscando também otimizar nossos processos e melhorar o atendimento. Queremos com isso chegar à excelência! Mudar é sempre difícil, mas por nossos clientes vamos ainda mais longe”, comentou o diretor.

http://www.igus.com.br

Por que usar esteiras porta cabos?

Lagarta, esteiras porta cabos, anaconda, umbilical, escorpião… São vários os nomes dados à esse componente que vêm cada vez mais ganhando espaço na indústria em máquinas e equipamentos.

Para obter o máximo de produtividade e rapidez nos processos industriais os sistemas automatizados, as máquinas e equipamentos realizam diversos tipos de movimentos, em diversos sentidos, acelerações e velocidades.

Esses sistemas utilizam cabos que transmitem sinais, potência, dados ou diversas outros comandos e mídias. As esteiras porta cabos, exercem a função de organizar e proteger os cabos e mangueiras dos equipamentos, direcionando os movimentos sempre de um ponto até outro, otimizando a aplicação sem alterar o curso do deslocamento.

Ou seja, elas tem a seguinte tarefa: O fornecimento seguro de energia e dados para os equipamentos realizam movimentações.

A igus, empresa especializada em produtos para movimentação, costuma dizer que os sistemas de esteiras porta cabos são o “cordão umbilical da automação”. Nas máquinas modernas, as esteiras porta cabos estão diretamente ligadas ao perfeito funcionamento e aumento da produtividade, além de reduzir/eliminar o desgaste e estresse físico dos cabos e mangueiras nos equipamentos e paradas não planejadas. Elas evitam o “emaranhamento” e torção dos mesmos, além de melhorar a segurança para aqueles que operam as máquinas.

As esteiras porta cabos feitas em polímero da igus, são desenvolvidas, para uso universal. Veja alguns dos diferenciais:

  • Utilizadas para diversos tipos de movimentos.
  • Instalação com economia de espaço.
  • “Portar” cabos bus sensíveis, cabos de dados e fibra óptica, assim como outras formas de energia como eletricidade, gás, ar e líquidos.
  • Podem ser utilizadas em casos que exigem alta capacidade dinâmica e demandas difíceis que afetam a vida útil dos cabos e mangueiras.
  • Operação em uma grande variedade de ambientes e climas.
  • Altas acelerações.
  • De montagem simples, sistemas modulares.
  • Manutenção reduzida e livre de lubrificação.

Ou seja… 

Projetadas para guiar ou proteger elas tem sido peça fundamental e de grande procura para evitar paradas não planejadas e prolongar o funcionamento da máquina ou equipamento sem falhas.

Saiba mais em: https://www.igus.com.br/info/energy-chains-products-energy-chain-systems

Mas afinal, Plástico ou Metal?

Há muito tempo os materiais metálicos são escolhidos para soluções mecânicas por terem a imagem de que são mais robustos e fortes. É muito comum subestimar a força dos plásticos compostos e suas habilidades, porém de alguns anos para cá, o uso de polímeros de engenharia em aplicações que envolvam movimentação, passou a ser cada vez mais frequente.

Hoje, as buchas de plástico da igus® são uma alternativa econômica e tecnicamente vantajosa comparado às soluções metálicas e tem sido a primeira escolha dos engenheiros que buscam otimizar as aplicações de máquinas e equipamentos com movimentação. Melhoradas pela tecnologia, sua composição feita de fibras, base polimérica e pelos lubrificantes sólidos, são adequadas para aplicações e necessidades de todos os tipos, reduzem o trabalho com manutenção e possibilitam melhorias técnicas.

Bom, vamos então à uma comparação entre buchas metálicas e as buchas em polímero para entender as principais diferenças… 

Buchas e rolamentos metálicos

Rolamentos de composto de metal

  • Boa resistência aos meios e à altas temperaturas
  • Alta classificação de carga estática devido ao verso metálico
  • Camada de deslizamento fina e suave
  • Funcionalidade limitada com movimentos giratórios sob cargas elevadas
  • Custos adicionais para a versão resistente à corrosão
  • Sensíveis a cargas nas extremidades
  • Perigo de danificação da camada de deslizamento durante a instalação

Mas e as buchas em polímero?  

Buchas autolubrificantes iglidur® G

  • A espessura total da parede serve como zona de desgaste
  • Longa vida útil para todos os tipos de movimentos
  • 100% resistentes à corrosão
  • Econômicas
  • Alta resistência aos meios
  • Em conformidade com a RoHS
  • Leves
  • Resistentes a sujeira, poeira, umidade e altas temperaturas
  • Elevado amortecimento de vibrações
  • Robustos para cargas nas extremidades
  • Permitem o uso de eixos “macios” de baixo custo
  • Promovem uma redução de custos em até 40% – pois são livres de lubrificação e livres de manutenção.
  • Possuem vida útil previsível, ou seja, é possível calcular a vida útil que o produto terá de acordo com a sua aplicação, facilitando possíveis eventuais manutenções preventivas.

Tudo bem, parecem palavras bonitas… mas para comprovar tudo isso, a igus realiza inúmeros testes anualmente no laboratório de testes em sua matriz, em Colônia, Alemanha, que alimentam um banco de dados gigantesco.

Abaixo, trouxemos um teste de desgaste em diferentes eixos e revestimentos com buchas em polímero da igus e buchas metálicas para comparação.

Desgaste em μ/km; p= 30 MPa; v= 0.01 m/s; rotacionando

1 – Taxa de desgaste [μm / km]
2 – Bucha em polímero iglidur® Q
3 – Bucha em polímero iglidur® G
4 – Bucha em polímero iglidur® Z
5 – Latão com lubrificação inicial
6 – Laminado de metal com camada deslizante
 

Conclusão:

Todos os materiais iglidur® testados exibem um desgaste significativamente menor do que as buchas metálicas. Os eixos das buchas metálicas por sua vez, apresentam desgaste significativo e, portanto, são considerados inadequados para uso posteriorGraças à sua elasticidade, eles também podem suportar altas cargas, fortes choques e impactos que podem quebrar as buchas e rolamentos metálicos.

Ainda não está convencido?
Entre em contato conosco e tire suas dúvidas… nós estaremos prontos para atendê-los e encontrar e melhor solução em polímero para a sua aplicação!

Saiba mais em: https://www.igus.com.br/info/plain-bearings-polymer-bearings-vs-metal-bearings

 

Vida útil 2x maior com as buchas autolubrificantes da igus em esteira porta cabos para deslocamentos longos!

Na Hannover Messe, a igus apresentou a nova esteira porta cabos com buchas, a P4.1 para o uso em guindastes e pontes rolantes com monitoração de desgaste inteligente opcional

Para aumentar o tempo de funcionamento de sistemas de guindastes e pontes rolantes, a igus agora combinou suas principais competências da tecnologia de buchas autolubrificantes e esteiras porta cabos. Na esteira porta cabos P4.para deslocamentos longos, novas buchas autolubrificantes tribologicamente otimizadas garantem a montagem isenta de lubrificação dos elos individuais das esteiras. Isso prolonga significativamente a vida útil da esteira porta cabos. Opcionalmente, a esteira porta cabos P4.1 pode fazer parte do conceito de manutenção previsível da igus com um novo sensor de desgaste isense

Durante muitos anos, o sistema P4 tem sido a solução para aplicações desafiadoras. A série de esteiras porta cabos com rolamentos P4 já se comprovou em mais de 1.000 aplicações em guindastes e pontes rolantes no mundo inteiro, com deslocamentos de até 800 metros, altas velocidades de mais de cinco metros por segundo, e vários milhões de ciclos com pouca vibração e pouco ruído. Usando-se buchas integradas no elo da esteira, o atrito é reduzido ao mínimo e a vida útil prolongada ao máximo. Devido à distância entre a parte superior e inferior, os rodízios não passam um sobre o outro, mas deslizam de forma a permitir uma operação suave. Como resultado, o coeficiente de atrito diminui e a força de acionamento é reduzida em 57 por cento. Usuários como o maior fabricante de ponte rolantes do mundo, ZPMC, vêm confiando na esteira porta cabos com rolamentos há muitos anos. Com as buchas autolubrificantes isentas de manutenção feitas de plásticos de alto desempenho, a igus agora levou a esteira porta cabos para outro nível.

Nova P4.1: Combinando duas competências principais

Desde 1964, a igus vem desenvolvendo e fabricando plásticos de alto desempenho para buchas autolubrificantes e esteiras porta cabos livres de manutenção. Através de sua experiência em ambas as áreas e pesquisa de novos compostos plásticos, os desenvolvedores da igus foram capazes de otimizar ainda mais a esteira porta cabos com rolamentos P4.1, de forma a significativamente aumentar a confiabilidade e disponibilidade. Há um ponto de apoio de giro em cada conexão dos elos. Esse agora foi equipado com uma bucha autolubrificantes de tribopolímero livre de manutenção, aumentando a vida útil em mais que o dobro. Assim, os guindastes de contêiners em portos, por exemplo, agora são capazes de alcançar uma vida útil de mais de 15 anos ou mais de 20.000 horas de funcionamento, com pouca necessidade de manutenção e alta confiabilidade.

Trabalho em rede inteligente e manutenção previsível com o isense

Opcionalmente, a nova P4.1 pode ser equipada com sensores de monitoramento, como um sensor de desgaste para as novas buchas deslizantes instaladas. Quando é atingido um limite de desgaste predefinido, ele emite um sinal para o módulo de comunicação igus icom, permitindo planejar a manutenção de antemão. Dependendo das exigências do cliente, os dados do módulo icom podem ser usados diferentemente: com uma integração direta no ambiente de software e solução de intranet existentes para uma pura mensagem de manutenção ou com conexão ao centro de dados da igus para uma previsão inteligente e dinâmica da vida útil. Nesse caso, as recomendações de manutenção através de algoritmos de aprendizado de máquina e IA são constantemente comparadas e definidas de acordo com os dados de várias aplicações existentes. Graças ao trabalho em rede inteligente da esteira porta cabos de rolamentos P4.1, o engenheiro de manutenção pode acessar os dados de vida útil da esteira porta cabos a qualquer hora e em qualquer lugar.

Saiba mais em: http://www.igus.com.br

Robô de perfuração e rebitagem de fuselagens de aeronaves ganha o prêmio vector de ouro

Na Hannover Messe, o Loxin 2002 ganhou o primeiro lugar como a aplicação de esteiras porta cabos mais inovadora

A cada dois anos, a igus GmbH concede o prêmio vector para aplicações inovadoras que usam sistemas de esteiras porta cabos. Este ano foram inscritas 187 aplicações diferentes de 30 países. O prêmio de ouro foi para o Loxin 2002 da Espanha. Nessa aplicação, dois robôs articulados trabalham na linha de montagem final de fuselagens de aeronaves. Vários sistemas de esteiras porta cabos da igus garantem o fornecimento seguro e confiável de energia para os efetores terminais nos robôs.

Dois robôs industriais que são usados para a montagem final de fuselagens de aeronaves, com diâmetros de até quatro metros, desempenham várias tarefas, como perfuração e rebitagem. No passado, o problema principal dessa aplicação era a possibilidade dos robôs colidirem com a fuselagem e, assim, danificarem gravemente o avião. Agora, são usadas duas esteiras porta cabos da igus que se movimentam tridimensionalmente. Elas estão fixadas paralelamente a cada lado dos braços do robô. Isso facilita o movimento dos braços do robô e torna a fuselagem mais acessível, apesar das geometrias difíceis envolvidas. Além disso, é possível guiar vários cabos e tubos diferentes de elementos de conexão para os efetores terminais dos robôs. Ademais, são usados outros sistemas de esteiras porta cabos com geometrias e sentidos de movimento muito diferentes. Uma aplicação para a qual a empresa Loxin ganhou o prêmio vector de ouro e 5.000 euros em dinheiro na Hannover Messe. A cada dois anos, o prêmio é concedido a novas e exigentes aplicações de esteiras porta cabos. O júri consiste de representantes de revistas especializadas, a indústria e a área de pesquisa.

Dois robôs industriais que realizam tarefas de perfuração e rebitagem durante a montagem de fuselagens de aeronaves. Essa aplicação da Loxin 2002 ganhou o vector de ouro 2018.

 Vector de prata para aplicação americana

O “Hummingbird” (“Beija-Flor”) é uma inovação revolucionária para a indústria agrícola, usado para a irrigação e o fornecimento de fertilizantes. Ele substitui máquinas individuais convencionais, pode ser equipado com uma variedade de sensores e é capaz de usar software que processa dados relacionados a temperatura, nutrientes e doenças. Isso permite adaptar, misturar e distribuir as substâncias a serem borrifadas de caso para caso. Um sistema micro flizz da igus suporta os cabos e tubos, onde a esteira porta cabo se encontra de forma compacta em uma calha de alumínio fechada. Essa solução de fornecimento de energia inovadora, que compõe uma grande parte do sistema completo, assim como o aspeto ambiental muito positivo da aplicação, foram motivos pelos quais o júri concedeu o vector de prata à Cordoba Technologies Inc.

Bronze para o elevador inovador

A Thyssenkrupp Elevator, uma das empresas líder de tecnologia e serviços de elevadores, substituiu cordas comuns por motores lineares. O acionamento linear e haste de acionamento podem girar em 90 graus, fazendo com que as cabines possam ser movimentadas tanto verticalmente como horizontalmente. Um dos maiores desafios durante a implementação foi o espaço limitado disponível em relação à quantidade de cabo, tanto em termos de profundidade como em movimento giratório. Além disso, os requisitos para os cabos são rígidos, exigindo blindagem, pequenos diâmetros e raios de curvatura apertados. As esteiras porta cabos estão sendo usadas pela primeira vez para uma aplicação dessas no setor de elevadores. Duas esteiras porta cabos opostas, se deslocando em um trajeto circular e guiadas em um sistema de calhas, juntamente com os cabos adequados da igus, garantem a transmissão necessária de energia e dados à plataforma giratória. Uma aplicação fascinante com um sistema de fornecimento de energia incomum. Essa foi a solução que ganhou o vector de bronze em 2018.

Os vencedores do vector 2018 foram premiados na Hannover Messe. A Loxin 2002 da Espanha ganhou o vector de ouro.

Distinção especial para sistema inovador de geração de energia

A geração de energia com base em energia de ondas oceânicas possui um enorme potencial para o futuro, uma vez que a densidade da energia geralmente é cinco vezes maior que a energia eólica e dez vezes maior que células solares. No entanto, ela traz vários desafios para os sistemas de fornecimento de energia usados, os quais devem resistir, durante vários anos, a condições muito adversas dentro das boias. A aplicação da CorPower Ocean da Suécia ganhou o prêmio vector especial de 2018 devido à sua solução inovadora e resistente ao ambiente.

Todas as informações sobre o 6º prêmio vector e a variedade de submissões, incluindo as dos últimos anos, podem ser encontradas aqui http://www.vector-award.com.br.

Deslizando facilmente com as fitas deslizantes tribo-tape da igus

A empresa igus apresentou a sua gama de produtos de tribo-tape na Hannover Messe 2018

Como uma superfície deslizante, a tribo-tape reduz o atrito durante movimentos lineares, permite um deslizamento suave e diminui o desgaste. A fita também já está sendo usada na proteção de bordas e proteção de produtos revestindo partes de metal em sistemas de embalagem ou sistemas de transporte. As tribo-tapes iglidur são tribologicamente otimizadas, o que as torna extremamente resistentes ao desgaste comparado com materiais padrão. Na Hannover Messe 2018, a igus mostrou a sua gama de fitas tribo-tape com novos tamanhos e formas de fixação.

 As fitas tribo-tape da igus são usadas onde é necessário um deslizamento suave, silencioso, simples e livre de lubrificantes. Por esse motivo, as fitas deslizantes já estão sendo usadas na construção de móveis, por exemplo, para ajustes. As fitas deslizantes iglidur também são impressionantes na indústria madeireira, onde prevalecem poeira e cavacos. Por exemplo, para simplificar a operação de uma serra ao cortar placas de isolamento de fibra de madeira, o tribo-tape garante um movimento fácil do batente giratório na lâmina da serra. Uma vez que as fitas deslizantes iglidur são completamente livre de lubrificantes, a serra não adere aos elementos de guia. Para aumentar a vida útil das fitas extremamente resistentes ao desgaste, a empresa especializada em motion plastics continuou a desenvolver o adesivo. O produto novo permite uma adesão ainda melhor da fita. Além disso, o novo adesivo está em conformidade com a FDA, podendo ser usado na indústria alimentícia.

Na indústria de bebidas, por exemplo, um deslizamento fácil é realizado através das fitas tribo-tape auto adesivas da igus altamente resistentes ao desgaste e resistentes à abrasão.

Extrema resistência ao desgaste para materiais padrão

Os materiais da fita foram capazes de comprovar a sua alta resistência ao desgaste no próprio laboratório de testes da igus que se estende sobre 2.750 metros quadrados. Em um teste de desgaste contra um pino de aço inoxidável, todas as quatro tribo-tapes receberam notas 10 vezes melhores em comparação com fibra de vidro PTFE e compostos de bronze PTFE. Ademais, os materiais apresentam pouca abrasão e são livres de lubrificação e de manutenção.

Quatro polímeros de alto desempenho para aplicações diferentes

A fita deslizante azul feito do material iglidur A160 em conformidade com a FDA é altamente resistente a produtos químicos e cumpre os requisitos rigorosos de higiene e segurança na indústria alimentícia. Devido à sua cor azul, o material também pode ser detectado visualmente. Com o material B160, a resistência ao desgaste agora foi aumentada mais uma vez. Devido à sua cor preta, o iglidur B160 também pode ser discretamente assimilado em áreas visíveis, por exemplo, na indústria moveleira. O material W160 foi desenvolvido para indústrias com altos requisitos higiênicos. Ele possui propriedades antibacterianas e é usado em máquinas para endurecimento odontológico ou esterilização. Além disso, o iglidur W160 contém aditivos estabilizantes UV, fazendo com que as propriedades do material não sejam alteradas, mesmo no caso de oxidação causada por luz. A quarta tribo-tape é feita do material especialista em altas temperaturas iglidur V400: ele é extremamente resistente ao calor e pode ser usado em temperaturas até 200 graus, com adesão até 160 graus. Devido à sua extrema resistência ao desgaste, o iglidur V400 é adequado para o uso em cargas e temperaturas altas, além de ser resistente a uma variedade de produtos químicos.

No laboratório de testes, todos os quatro materiais tribo-tape apresentaram uma resistência ao desgaste 10 vezes maior que fibra de vidro PTFE e compostos de bronze PTFE.

Uso universal com novos tamanhos

As tribo-tapes iglidur são universalmente aplicáveis e podem ser cortadas com facilidade. As fitas deslizantes iglidur A160, B160 e W160 estão disponíveis nas larguras padrão de 20, 50, 100 e 500 milímetros e com espessura de 0,5 e 1 milímetro. A iglidur V400 está disponível na largura padrão de 120 milímetros e com uma espessura de 0,5 milímetros. Todas as tribo-tapes podem ser entregues com ou sem suporte adesivo. Além disso, a igus oferece o corte de geometrias ou larguras especiais.

Saiba mais em: https://www.igus.com.br/tribo-tape/sliding-tape

Uma questão de limpeza: máquina de limpar piscinas com rolamentos de esferas xiros garante um piso limpo

Rolamentos radiais de esferas da igus permitem um funcionamento estável e potente de baixo d’água em máquinas de limpar piscinas

No Poolwonder Turbo XL, os rolamentos de esferas xiros são usados como guia adicional para o eixo do motor abaixo da hélice e a vedação do eixo.

Quando o verão chega, é hora de voltar a cuidar da piscina e do jardim. Mas os amantes de piscinas conhecem e enfrentam um problema: as folhas e musgos que se acumulam durante os meses de inverno são difíceis de remover. Agora, o Poolwonder Turbo XL traz a solução. Os rolamentos radiais de esferas xiros da igus permitem uma operação suave. Os rolamentos de polímero livres de lubrificação e manutenção se destacam com seu peso baixo, vida útil longa e sua resistência à corrosão.

Quando a primavera chega, é hora de voltar a limpar a piscina. A nova máquina de limpar piscinas Poolwonder Turbo XL pesa apenas 1,4 quilos e, com uma largura do aspirador de 40 centímetros, é capaz de aspirar facilmente areia, folhas ou sujeira do piso da piscina. O modelo operado com bateria se encaixa em qualquer haste telescópica com sistema de clipe e diâmetros de 30 milímetros e é adequado para a limpeza diária de piscinas de até 50 metros quadrados. Devido à área especial de aplicação subaquática, a Poolwonder optou por instalar componentes livres de corrosão e manutenção. Aqui, os rolamentos de esferas de polímero xiros feitos de plásticos de alto desempenho da igus demonstra as suas vantagens.

Resistência à corrosão com rolamentos de esferas de polímero xiros B180

O rolamento de esferas de polímero xiros B180 é usado no Poolwonder Turbo XL como guia adicional para o eixo do motor abaixo da hélice. Todos os produtos da gama xiros são isentos de lubrificação, assim como o xirodur B180. Como não há lubrificantes que possam ser lavados ou que se decomponham por fatores externos, o ambiente não é contaminado. Além disso, os rolamentos também são adequados para espaços de instalação reduzidos. Com o Poolwonder, o rolamento é posicionado entre duas vedações, o que tornaria difícil a lubrificação. Além disso, o material xirodur convence com alta durabilidade e resistência à corrosão. Isso torna os rolamentos de esferas de polímero especialmente adequados para aplicações submersas, como a máquina de limpar piscinas. Os rolamentos radiais de esferas xirodur B180 são adequados para o uso na faixa de temperatura de -40 a +80 graus Celsius e para eixos com diâmetros de 3 a 60 milímetros. Eles já se comprovaram no modelo Poolwonder Turbo XL. Outras áreas de aplicação para os rolamentos radiais de esferas xiros B180 são, entre outros, aplicações de aspiração e embalagem, assim como aparelhos domésticos e tecnologias de sala limpa.

No vídeo a seguir você pode ver como os rolamentos de esferas de polímero xiros são testados no laboratório de testes da igus que se estende sobre 2.750 metros quadrados: https://www.youtube.com/watch?v=iaVMJh1RbvI

 

Página 1 de 2212345...1020...Última »